(Foto: Pedro França/Agência Senado)
Política

Morte de miliciano deve manter Flávio Bolsonaro sob paralisia

O assassinato do ex-PM e miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, ocorrido no domingo (09/02), elimina uma figura incômoda para o senador Flávio Bolsonaro na investigação sobre o esquema de rachadinha em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio. No curto prazo, no entanto, a suspeita de que Nóbrega foi morto em uma queima de arquivo vai gerar desgaste político ao senador.

Foragido há um ano, Nóbrega era um bandido perigoso, apontado como chefe do Escritório do Crime, uma das milícias mais poderosas do Rio, e acusado de assassinatos. Apesar de estar sozinho em um sítio, cercado por vários policiais e com apenas uma pistola e três armas velhas, a policia afirma que Nóbrega reagiu e foi morto “em confronto”.  

Quatro vínculos que ligavam Adriano ao senador Flávio Bolsonaro:

  • Era amigo de seu principal assessor, Fabrício Queiroz.
  • Sua mulher e sua mãe foram funcionárias do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).
  • Dinheiro circulou das contas de Nóbrega para as de Queiroz, numa evidência do esquema de rachadinha.
  • Em mensagens, demonstrou conhecer o esquema de rachadinha que vigorava no gabinete e por que sua mulher e sua irmã foram afastadas quando ele foi descoberto.
  • Quando já era acusado de assassinatos, Nóbrega recebeu uma medalha da Alerj por iniciativa de Flávio.

As consequências da eliminação de Adriano Magalhães Nóbrega para o senador Flávio Bolsonaro:

  • A morte de Nóbrega cria um desgaste que vai prejudicar o mandato de Flávio Bolsonaro por mais tempo. O primeiro ano do mandato de Flávio foi desperdiçado devido à luta contra a investigação do caso da rachadinha. Este novo desgaste impede que o filho do presidente se torne um articulador público do governo, algo que seria interessante a Jair Bolsonaro. Seu imobilismo vai durar mais tempo.
  • Flávio Bolsonaro será o comandante do Aliança para o Brasil, o futuro partido da família Bolsonaro. O partido, que já nasce com o escândalo do esquema de rachadinha no colo, vai carregar também o peso da suspeita morte de Nóbrega e seus crimes.
  • É algo que pode afastar eventuais políticos interessados: conviver com suspeita de corrupção é comum na política; mas suspeita de vínculo com milícias é um fato mais grave.  
  • O senador Flávio Bolsonaro também terá de conviver com a suspeita de que um personagem incômodo ao seu mandato foi morto em circunstâncias suspeitas.
  • Por muito tempo vai pairar a suspeita de que Nóbrega foi morto para que não fosse ouvido sobre o esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro ou sobre outros eventuais assuntos.
  • Partidos de oposição têm sido pouco ativos, mas poderão fazer pressão para que a morte de Nóbrega seja investigada pela Polícia Federal. É difícil que isso aconteça, mas os nomes de Nóbrega e do senador Bolsonaro serão associados em vários discursos nas tribunas da Câmara e do Senado.  

Newsletter

Reportagens exclusivas e as notícias mais quentes na sua caixa de e-mail.

Valorizamos sua privacidade. Nunca enviaremos spam ou compartilharemos suas informações com terceiros.

Assine

O novo modo de fazer jornalismo de que o novo Brasil precisa.

Apoie o nosso jornalismo para que possamos ajudar a elevar a democracia.
Assine Vortex