()
Política

Exclusivo: Bolsonaro decide trocar ministros da Educação, da Casa Civil e do Turismo

diego@vortex.media carla@vortex.media

O presidente Jair Bolsonaro decidiu tirar dos cargos os ministros da Educação (Abraham Weintraub), da Casa Civil (Onyx Lorenzoni) e do Turismo (Marcelo Álvaro Antônio). A informação foi confirmada hoje (21 de novembro) ao Vortex por dois interlocutores do presidente que acompanham de perto os novos rumos do governo.

Resta, porém, uma dúvida importante: quando promover essa minirreforma ministerial – as mudanças, aliás, não são chamadas de “reforma ministerial” pelos aliados. Segundo as fontes ouvidas pelo Vortex, era mais provável que o presidente fizesse as mudanças no começo do ano. A crise do PSL e, agora, a criação do Aliança pelo Brasil podem acelerar a minirreforma.

  • O cálculo político é simples. A permanência de Marcelo Álvaro no governo, acusado formalmente pelo Ministério Público de se beneficiar do chamado laranjal do PSL, tornou-se um obstáculo no discurso do presidente para se distanciar de seu antigo partido – e para o processo de coleta de assinaturas para a criação do Aliança pelo Brasil. Ao mesmo tempo, o presidente gosta do ministro do Turismo e não quer queimá-lo – por isso relutou até agora em demiti-lo. A minirreforma diluiria o impacto da saída de Marcelo Álvaro.
  • Embora aliados do presidente envolvidos com a criação do Aliança pelo Brasil prefiram que as mudanças ocorram logo, Bolsonaro ainda não disse como procederá. Ou seja, se atenderá aos apelos para agir agora e facilitar a ruptura com o PSL – ou se postergará as mudanças para janeiro. O presidente gosta de decidir sozinho e compartilha pouco o que pensa, mesmo a seus aliados mais próximos.
  • O presidente enfrentará cada vez mais pressão daqueles que estão à frente da criação do Aliança, assim como dos políticos que querem migrar para o partido. Para eles, o discurso de que o Aliança não compactuará com práticas típicas da “velha política” não condiz com a manutenção de Marcelo Álvaro à frente do Ministério do Turismo.

As fontes ouvidas pelo Vortex não têm dúvidas de que as trocas, salvo uma mudança brusca de opinião do presidente, transcorrerão. Não são, portanto, um mero “balão de ensaio” – um vazamento proposital mas vazio, com o intuito de mandar recados ou somente testar uma ideia perante a opinião pública. A questão, reitera-se, é quando.

A não ser que Bolsonaro mude de ideia, portanto, Weintraub sairá da Educação. Embora o presidente goste do estilo de Weintraub, descrito como “combativo” e “preparado”, as constantes ofensas do ministro a tudo e a todos causam mais problemas do que dividendos políticos a Bolsonaro.

Weintraub, contudo, não deixaria o governo. Uma das possibilidades estudadas pelo presidente e por seus auxiliares envolve um deslocamento dele para a Casa Civil. Onyx Lorenzoni, o atual ocupante do posto, deve voltar à Câmara, com a missão de ajudar a rearticular a base do governo após a crise com o PSL. A articulação política do Planalto já vem sendo tocada pelo general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo; Onyx perdeu a confiança do presidente há tempos, embora conte com a simpatia dele.

O ministro problema

Na visão do presidente e dos aliados dele que trabalham na criação do Aliança pelo Brasil, a permanência de Marcelo Álvaro no governo causa um estrago político e jurídico especialmente deletério neste momento. Por um lado, expõe uma forte incoerência no discurso de Bolsonaro. Se o presidente deixou o PSL em razão da má gestão do dinheiro da legenda, como pode justificar a permanência de um ministro acusado formalmente pelo Ministério Público de se beneficiar dessa má gestão?

A manutenção do ministro do Turismo também enfraquece as ações do grupo de Bolsonaro perante o TSE. A Aliança pelo Brasil pretende obter, embora seja improvável, os recursos do fundo partidário destinados ao PSL. O principal argumento, novamente, é o uso irregular desses recursos.

Por esses dois aspectos, o futuro político de Bolsonaro, de seu governo e seu novo partido exige o rompimento com seu passado – com o PSL e quaisquer aliados associados a laranjas ou a outros esquemas relacionados ao partido comandado por Luciano Bivar.

Os intocáveis

As minirreforma ministerial pode ser ainda mais ampla e depende da rearticulação da base do governo no Congresso – quem ficará ao lado de Bolsonaro após a crise do PSL e os desgastes naturais de um ano legislativo pesado, como foi 2019. Três ministros, contudo, são classificados como “intocáveis” por Bolsonaro: Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça) e Tarcísio Freitas (Infraestrutura).

Presidente ataca Vortex, mas não nega troca de ministros

Nesta sexta-feira (22/11), o presidente Jair Bolsonaro procurou repórteres na porta do Palácio da Alvorada para falar sobre a reportagem do Vortex. “Primeiro vamos desmentir que eu troquei três ministros. Tenho a intenção de trocar 24 ministros, tá bom ou não?”, disse em tom irônico. No Twitter, Bolsonaro escreveu que “não existe qualquer reforma ministerial a caminho, até porque o governo está indo muito bem, apesar dessa banda podre da imprensa”.

Bolsonaro, portanto, não negou claramente que não planeja trocar os ministros da Educação, Abraham Weintraub, da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Como pode ser lido acima, Vortex informou que Bolsonaro pretende trocar três ministros no futuro próximo, não que já os trocou, como ele afirmou a jornalistas. Vortex informou também que aliados evitam classificar as mudanças como uma “reforma ministerial”, tratamento dado pelo presidente em seu tuíte.

(1 comentários)

Os comentários não representam a opinião do Vortex; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Newsletter

Reportagens exclusivas e as notícias mais quentes na sua caixa de e-mail.

Valorizamos sua privacidade. Nunca enviaremos spam ou compartilharemos suas informações com terceiros.

Assine

O novo modo de fazer jornalismo de que o novo Brasil precisa.

Apoie o nosso jornalismo para que possamos ajudar a elevar a democracia.
Assine Vortex